Debate;Lula bate boca com padre, mas vence Bolsonaro por pontos no debate
30/09/2022 08:09 em Política

De tédio ninguém morreu, apesar da duração excessiva do espetáculo. O último debate presidencial antes do primeiro turno no próximo domingo (2), na Rede Globo, foi marcado por um grau de agressividade que há muito não se via num encontro de candidatos ao Planalto na TV.

Claro, o tempo passa: saiu Leonel Brizola gritando com Paulo Maluf e entraram Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL), apoiados por um séquito de candidatos no fim da fila das pesquisas.

Lula recuperou-se da atuação apagada no debate Folha/UOL/Cultura/Band e conseguiu escapar da maldição de 1989, quando foi abatido pela afobação no embate final na Globo com Fernando Collor —noves fora a polêmica da edição posterior na TV. Escorregou, contudo, ao bater boca com um nanico.

Assertivo no limite da agressividade, o ex-presidente quase saiu da linha na inusitada e interminável sucessão de direitos de resposta trocados com Bolsonaro no primeiro bloco do evento. Mas alinhou-se e conseguiu encaixar uma linha de golpes no ocupante do Planalto, a quem pespegou um "cara de pau" com tom de indignação crível.

Não que ele não tenha sofrido arranhões. Bolsonaro conseguiu relembrar o caso Celso Daniel, um incômodo que acompanha o PT desde 2002, ainda que tenha sido submetido a uma compostura pela senadora Simone Tebet (MDB), que se mostrou boa de debate como nas outras duas edições deste primeiro turno.

Afinal de contas, como é uma eleição em que rejeições estão em jogo, e este é um item em que Bolsonaro está mal das pernas, o debate de ideias basicamente inexistiu. É de se questionar inclusive o formato: se a audiência quer pão e circo, melhor pensar em reeditar o "telecatch", a luta livre marmelada da TV dos anos 1960.

Como nas edições anteriores, Soraya Thronicke (União Brasil) garantiu seus memes. Saiu o "cutucou com sua vara curta" contra Bolsonaro no sábado e entrou o "candidato padre" à linha auxiliar do presidente, Padre Kelmon (PTB).

O autoproclamado religioso virou "padre de festa junina" e alguém que não teme ir ao inferno. Foi o melhor momento de um moroso segundo bloco. A presença de Kelmon, uma obrigatoriedade legal já que o ambiente era o de uma concessão pública e o PTB tem representatividade mínima, deixou para trás o folclore do sábado, ficando apenas o nada inocente personagem de escada do presidente.

Tanto foi assim que ele cumpriu seu papel central no terceiro bloco, quando Bolsonaro teve a oportunidade e recuou de questionar o ex-presidente diretamente —revelando Felipe D'Ávila (Novo) como seu escada. Kelmon provocou Lula, que caiu e bateu boca com um desconhecido.

Thronicke também trouxe a questão do golpismo bolsonarista à tona no debate, mas não foi respondida. Bolsonaro arriscou ao atacá-la, dado que tem entre as mulheres um dos grupos que mais o rejeitam, segundo o Datafolha.

A chamou de laranja e disse que ela queria cargos no governo. Thronicke foi mal na réplica, abandonando o tema do golpe e questionando se o presidente havia se vacinado contra a Covid-19, abrindo outra frente que ficou no ar.

Ciro Gomes (PDT), um bom debatedor, saiu-se mal. Colocou Lula na parede na primeira questão da noite, mas foi rebatido com eficácia. Depois, sumiu, voltando para uma altercação correta sobre cultura com o presidente, que foi seu chefe.

No mais, o debate se prolongou demais, por conveniências da Globo, obrigando o público resistente a ver Bolsonaro fazer mais uma dobradinha com Kelmon, propagandear dois candidatos e ainda questionar "isto é cultura?" ao falar sobre o tema com o padre. Os presentes estavam cansados, a alta voltagem caiu no último bloco.

Isso dito, ninguém saiu na lona do ringue, que é o objetivo final dos debates. Bolsonaro arriscou-se mais, sendo ele mesmo: estava bastante agressivo e irritado, o personagem que funcionou em 2018 e que lhe garante 36% de votos válidos segundo o Datafolha desta quinta (29). Não é pouco, mas até aqui insuficiente para reeleger o presidente.

Ao fim, Lula venceu por pontos. É pouco, mas o suficiente para ele a esta altura do jogo.

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!